Diferença entre os pontos de carne mal passada, ao ponto e bem passada


Com um sabor incomparável e sendo também uma importante fonte de proteínas de alta qualidade para nosso organismo, a carne deve ser sempre tratada com carinho e preparada da melhor maneira possível.

Com diversos cortes à nossa disposição, podemos escolher aquele que mais nos agrada e sacia, além de decidir sobre a forma de preparo. O gosto individual entra em ação e temos as seguintes opções de: mal passada, ao ponto e bem passada. Independente da escolha, será preciso técnica e conhecimento na execução, para que ela fique da maneira que se espera. Vamos explicar quais as principais características e diferenças desses três modos de preparo para que você sempre acerte na cozinha e aproveite com louvor o sabor desse delicioso prato. Confira:

Carne mal passada

É o tipo de preparo que deixa a carne mais macia, com um interior avermelhado, brilhante e quente, enquanto por fora deve estar bem tostado. Para preparar, você pode fazer o que se chama nas cozinhas de “selar” a carne, que nada mais é do que deixar a superfície em contato com a chapa muito quente por um período curto de tempo, normalmente entre um e dois minutos, para um filé de dois centímetros de altura em média. Apreciadores de carne dizem que o ponto mal passado é o ideal de quem realmente gosta do sabor. Não dá pra negar que a aparência fica muito suculenta e tentadora!

Ao ponto

Para esse preparo, a carne ainda deve ter uma boa faixa rosada no centro do corte, porém suas bordas devem estar bem mais tostadas que na versão mal passada. Esse preparo deixa a carne macia ao toque, especialmente no centro. Você deve colocar o bife com cerca de dois centímetros de espessura numa chapa bem quente por cinco a seis minutos de cada lado.

Este é um ponto de consenso, caso você vá preparar carnes sem saber dos gostos dos convidados, opte pela carne ao ponto. É quase impossível errar.

Carne bem-passada

Este ponto é extremamente difícil de ser alcançado com maestria, pois você deve deixar as bordas completamente tostadas, mas de forma alguma podem estar queimadas. A carne já não fica macia ao toque, apresentando uma maior solidez, mas também não pode nem passar perto de estar dura. É aqui que os cozinheiros erram mais a mão! O grande segredo é proceder selando em fogo alto, mas continuar cozinhando em fogo baixo por aproximadamente dez minutos de cada lado, sempre atento para não passar do ponto.

 

 

Fonte: